Você está visualizando atualmente Quais os desafios do PIX para as óticas?

Quais os desafios do PIX para as óticas?

Que o PIX virou a melhor forma de pagamento todo mundo falou mas quando o assunto é segurança, os desafios do PIX para as empresas são muitos, exemplo disso são os inúmeros golpes via aplicativos de mensagem ou usando domínios falsos na internet com chaves falsas, e uma fraude envolvendo a transferência de quase R$ 1 milhão por engano pelo Itaú por meio do novo sistema.

 

Por ser uma forma rápida e simples de transferir dinheiro, o PIX também é passível de erros. Confira quais são os maiores desafios do PIX para as empresas e as medidas básicas de segurança que podem ser implementadas.

 

1) Impossibilidade de cancelar uma transferência

 

De acordo com o regulamento do PIX, não existe a possibilidade de reverter uma transação ou alterar o valor a ser pago, a partir do momento em que o usuário confirma o envio ou o pagamento dos valores. Após a confirmação, a liquidação ocorre em tempo real e a transação não pode mais ser cancelada.

 

Entrando, existe a possibilidade de, caso a transferência tenha sido feita erroneamente, a empresa negociar com o recebedor a devolução do valor pago, essa é a única forma de devolução disponível no PIX, por isso é muito importante verificar com eficiência os dados antes de realizar as transações.

 

2) Falhas de sistemas, erros e fraudes

 

Segundo o Banco Central, se o usuário cometer um erro e enviar um valor errado ou enviar para outro destinatário, a responsabilidade é dele, já em situações de fraudes, é preciso analisar caso a caso, não há um regulamento que defina quem é o responsável pelos problemas. Mas já existe uma resolução que diz que caso se identifique alguma suspeita de fraude ou falha, a instituição pode suspender o pagamento por 30 minutos (durante o dia) ou por uma hora (à noite).

 

O roubo dos dados da empresa para que algum fraudador assuma a identidade corporativa nas transferências também é um desafio. Dessa forma, criminosos podem receber os valores que seriam destinados à empresa ou mesmo fazer transferências em nome dela.

 

Como se proteger?

 

  • Nunca fornecer senhas;
  • Trocar senhas periodicamente, preferindo sequências que não sejam usadas em outras contas ou serviços;
  • Desconfiar de e-mails que pedem dados ou solicitam atualizações;
  • Tomar cuidado com páginas falsas (phishing) e SMS falsos (smishing);
  • Manter um antivírus ativo, seja no computador ou no smartphone;
  • Se identificar um problema com alguma chave específica, envie também uma notificação de fraude para o Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT).

Deixe um comentário